Gritty Investor #19 - Apresentando... o Beatcoin!

Pedro Cerize Publicado em 15/09/2017
4 min
Plano para ganhar 100 milhões de dólares em seis meses - e sem risco

Gritty Investor

Oi.
     
Uma coisa eu preciso reconhecer a respeito do Bitcoin: o poder de atrair a atenção das pessoas. O conceito de transações eletrônicas seguras e não rastreáveis aliado à sensação de que essa pode ser uma oportunidade de ficar rico atrai a atenção e, em muitos casos, o dinheiro de muita gente.
       
Sou um investidor antiquado, reacionário em minhas crenças e naturalmente resistente às ideias de milagres ao alcance de todos. Mas uma forma que sempre usei para analisar situações que não entendia muito bem era inverter o raciocínio. Ao invés de usar minha linha natural, vou ao final e volto, reconstruindo o caminho até o início e desvendando o mapa da mina. Fazendo isso cheguei a esse plano sensacional que quero compartilhar com vocês.

Baseado nas ideias do misterioso Satoshi Nakamoto, o Bitcoin foi criado em 2009 para ser uma forma alternativa de moeda, sem interferência do estado e com uma oferta limitada: 21 milhões de BTC. Inicialmente era muito fácil minerar os BTC e, ao longo do tempo, o processo foi ficando continuamente mais difícil. Mas o que realmente atraiu a atenção do grande público foi a explosão de preços de um ativo que chegou a ser cotado a um centavo na mínima e USD 4.900 na máxima. Quem comprou 100 dólares na mínima teve a chance de vender por USD 49 milhões em pouco tempo. Warren Buffett não foi capaz de fazer isso em 50 anos.
   

Qual o Plano?

A primeira parte do plano é criar uma moeda que seja, a princípio, mais valiosa que o Bitcoin. Alterando ligeiramente o programa, minha nova moeda, o Beatcoin, vai ter edição limitada a 20 milhões. Isso vai ser um elemento de marketing fundamental no longo prazo, delimitando claramente uma régua de valor, de 5 por cento a mais que o seu concorrente mais famoso.
  
Inicialmente, a ICO (Oferta Inicial de Criptomoedas) vai oferecer 10 milhões de Tokens a 1 dólar cada. Com isso, o capital inicial da empreitada vai ser de 10 milhões de dólares. Com esse dinheiro, vai ser possível fazer uma campanha nas redes sociais, direcionada especificamente para o público interessado nesse mercado. Com as tecnologias atuais empregadas por Google e Facebook, a campanha vai mostrar para a audiência certa as vantagens claras do Beatcoin em relação ao já ultrapassado Bitcoin.
   
Deve conter também o testemunho de especialistas mostrando o potencial tanto do mercado quando da nova moeda. E, finalmente, o depoimento de pessoas comuns, que fizeram fortuna investindo em Criptomoedas e confirmando o entusiasmo que sentiram ao tomar conhecimento do Beatcoin. A campanha deve conter versões em Inglês, Mandarim e Japonês.
  
Minha expectativa é que, inicialmente, os Tokens de 1 dólar dobrem de preço. Após esse movimento existe uma consolidação inicial em que os investidores mais afobados tentam realizar seus pequenos ganhos iniciais com a ICO. Mas na hora em que a campanha de publicitária for ao ar, mostrando um produto que teoricamente vale mais do que os 3-5 mil dólares com 99,95 por cento de desconto, a alta vai ser parabólica.
     
Gosto de ser conservador em minhas projeções, por isso acho que, em seis meses, com muita margem de segurança, palavra fundamental para todo investidor, o Beatcoin atinge 10 dólares. Nesse momento, meus 10 milhões de Beatcoins vão estar valendo USD 100 milhões: missão cumprida.

Desafio alguém a mostrar como esse plano pode dar errado. Todos saem ganhando. Eu e o Satoshi Nakamoto, por termos criado a moeda, obviamente vamos ganhar um pouco mais. Mas todos que tiverem coragem de comprar no início terão a oportunidade de mudar de vida.

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia