Como escolher uma corretora

Saiba como abrir conta em uma corretora, como escolher e melhor para você e quais são as melhores corretoras do mercado

Resumo rápido 

1. O que é uma corretora?
2. O que você precisa saber para avaliar se uma corretora é a ideal para você?

3. Em nossa opinião, quais as melhores corretoras para se investir?
4. Como abrir sua conta em uma dessas corretoras?
5. Aberto a conta, como começara investir?
6. Conclusão

Leia esta edição completa abaixo
 

Olá, investidor(a)!

Nas próximas linhas vamos tirar todas as suas dúvidas sobre como começar a investir com segurança e de forma mais consciente.

Talvez alguém já tenha lhe dito que para investir você precisa abrir conta em uma tal de “corretora de valores”. É isso mesmo.

Se isso pareceu confuso em um primeiro momento, tudo bem, vamos acertar tudo agora.

“Mas investimento não é feito pelo banco? Por que preciso de uma corretora?”

Para responder essa pergunta e muitas outras, preparamos um guia completo e atualizado sobre tudo que você precisa saber para dar os seus primeiros passos nesse novo universo.

Para que você comece com o pé direito.

E aproveito para adiantar que daremos nossa opinião sincera e objetiva.

Nosso objetivo é mostrar quais as melhores corretoras que, em nossa opinião e experiência, atenderão melhor as suas necessidades como investidor(a).

A Inversa é uma publicadora de conteúdos sobre investimentos totalmente independente, ou seja, aqui você pode confiar que terá sugestões completamente isentas e alinhadas aos seus interesses.

Por isso, não deixe de ler e dividir esse guia com seus conhecidos, para que tenham as mesmas oportunidades que você e aprendam a cuidar melhor do seu suado patrimônio.

Sem mais delongas, vamos ao que interessa!

O que é uma corretora?


Uma corretora, ou corretora de valores mobiliários em sua forma mais formal, é a instituição que intermedia você e os diferentes tipos de investimentos.
 



Pense que, de acordo com o esquema abaixo, e com a atual estrutura do mercado de capitais, três grandes entidades se relacionam para que você possa efetivamente investir:


Em uma ponta, você poupador(a), tem a intenção de investir seus recursos acumulados. Com o objetivo, claro, de multiplicá-lo, gerar renda ou até de protegê-lo.

Na outra ponta, temos a pessoa ou instituição que quer se financiar oferecendo aos participantes do mercado financeiro títulos de dívida ou participações (sociedade) em determinado empreendimento ou empresa.

Na parte central, a corretora de valores mobiliários é quem intermediará essa transação.

A função dela, neste caso, é trazer segurança para ambas as partes até que o negócio seja efetivamente fechado. Ou seja, até que você consiga comprar seus títulos de renda fixa, ações ou qualquer outro investimento.

Agora que já entendeu a função da corretora de valores mobiliários, novamente deve estar se perguntando: “mas qual a diferença entre investir através de uma corretora ou através do meu banco?”.

A resposta para essa pergunta é, na prática: “nenhuma”.

Segundo a regulação vigente, apenas duas instituições financeiras podem fazer esse serviço de intermediação financeira: a corretora e a distribuidora.

E, antes que se questione, não, para o investidor não há nenhuma diferença prática entre essas duas. A questão é que, em nenhuma das duas opções acima encontramos o termo “banco”.

Dessa forma, quando você investe através de seu banco, você está investindo através da corretora ou distribuidora do banco.

Essas corretoras de bancos, fazem exatamente a mesma função que uma corretora independente faz (já explicarei melhor o que é uma corretora independente) porém, normalmente, oferece uma gama de produtos muito menor e cobra muito mais pelos serviços – muito mesmo.

Depois de fazerem isso por muitos e muitos anos, já que eram praticamente os únicos que tinham a confiança do investidor pessoa física, começaram a perder mercado para uma nova geração de empresas especializadas nesse serviço de corretagem, as corretoras independentes.

Ao contrário da maioria das corretoras de bancos, as corretoras independentes não possuem vínculo ou exclusividade de distribuição dos produtos de uma instituição ou de outra.

S
endo assim, conseguiram atrair mais e mais clientes que estavam acostumados a investir nos grandes bancos, sempre com as “boas” indicações de seu gerente de conta.

Por exemplo, a corretora do Itaú, até pouco tempo atrás, só oferecia CDBs (um produto muito conhecido e utilizado pelos investidores de renda fixa) do próprio banco Itaú.

Enquanto a XP Investimentos, a primeira corretora independente a conseguir alcançar um número muito expressivo de clientes pessoas físicas, oferecia CDBs, e outros produtos, não só do próprio Itaú, como de muitas outras instituições financeiras.

Sendo assim, de forma resumida, hoje entende-se que, no geral, corretoras de bancos são mais caras (possuem taxas maiores) e possuem menor quantidade e variedade de produtos.

E falo “no geral” porque o impacto da revolução criada pelas corretoras independentes foi tão grande que alguns desses bancos já estão revisando suas políticas de distribuição, assim como as taxas cobradas, pois viram que esse é um processo irreversível.

“Tudo bem, já entendi o que é uma corretora e o que ela faz. E agora?”


O que precisa saber para avaliar se uma corretora é a ideal para você?
 

Você já deve ter percebido que existem diversas opções de corretoras no mercado para realizar seus investimentos.

Antes de elencar as nossas preferidas, gostaria de falar, de forma mais geral, sobre as características que você deve se atentar à cada uma delas durante seu processo de escolha.

É preciso que fique claro desde já que nenhuma é impecável em todos os quesitos. Mais importante que isso é saber reconhecer essas características e selecionar a(s) que melhor se adequa(m) às suas necessidades.

Os quatro principais pontos que levamos em consideração são:

Atendimento:

Não organizamos esses critérios de avaliação por ordem de importância, mas com certeza é um ponto importante de diferenciação.

O bom atendimento é talvez o mais difícil de encontrar e que você vai precisar usar em diversas situações.

Talvez não hoje, não amanhã, mas é justamente quando mais precisar que esse fator se torna indispensável. Em alguns casos, pode lhe custar um bom dinheiro ficar esperando longas horas na fila do telefone.

Um mal atendimento pode, inclusive, te desmotivar a seguir com seus planos, enquanto um bom atendimento, é capaz de te incentivar ainda mais.

Investir é sempre um desafio técnico, envolve aprendizado, mas também psicológico: determinação, motivação e disciplina.

Registro de reclamações:

Apesar de não ser uma característica, consultar os principais sites de registro de reclamações antes de se tornar cliente dessas instituições é fácil e ajuda a ter uma primeira impressão.

A
pesar de parecer óbvio, é importante falar que, em um site de reclamações, você encontrará majoritariamente avaliações negativas, portanto pessoas insatisfeitas.

Nenhuma empresa ou instituição é perfeita. Portanto, o que você deve buscar nesses sites é entender quais tipos de problemas a instituição que pretende abrir conta costuma ter.

A
lém disso, é possível avaliar o comportamento da instituição após o problema ocorrido. Eles se preocuparam em amenizar o dano causado?

Isso é muito importante.

Variedade de produtos:

Lembra quando comentei que era nesse ponto que as corretoras independentes inovaram em relação as mais tradicionais corretoras de bancos?

Sinto dizer, mas mesmo dentre as corretoras independentes, existe grande variação na disponibilidade de produtos.

Apesar de já ter avançado muito, ainda encontramos um cenário no qual a maioria das corretoras buscam se “especializar” num segmento de cliente.

Algumas, buscam investidores de renda fixa, outros investidores de ações e ainda outras de fundos de investimento.

Não critico essa estratégia, na verdade faz bastante sentido, principalmente para aquelas corretoras que não são tão grandes e ainda estão ganhando participação de mercado.

Melhor cativar o cliente oferecendo um ótimo serviço do que disponibilizar várias opções não tão boas assim.

O inconveniente que isso traz é o seguinte: o investidor que possui um portfólio diversificado e quer fazer isso da maneira mais eficiente possível, acaba se vendo obrigado a abrir várias contas, em diversas instituições diferentes.

Minha sugestão: se você quer encontrar um meio termo entre a eficiência e a conveniência, separe seus investimentos em duas ou três corretoras e explore as melhores ofertas entre elas para cada classe de investimento.

Esse problema, inclusive, vem sendo solucionado pelos aplicativos de consolidação (como o Fliper, Kinvo, Gorila etc.), que se propõem a consultar todas as suas contas e apresentar uma visualização completa do seu portfólio de ativos/investimentos.

Custo:

Por último, mas não menos importante, temos o custo.

Reconheço que com o desenvolvimento desse mercado e o aumento da competição esse é um fator que vem sendo impactado positivamente.

Cada vez mais, as corretoras estão aumentando sua eficiência operacional, atingindo mais pessoas e consequentemente conseguindo cobrar menos de seus clientes.

Corretoras que cobram as antigas taxas de custódia, por exemplo, já são consideradas pré-históricas.

E aqui, não estou falando que pagar o mais barato será sempre a melhor opção para você – foque no conjunto da obra.

Porém, quanto menor o aporte do investidor, mais relevante se torna utilizar uma corretora de baixo custo, pois a corretagem passa a representar um percentual muito grande do investimento feito, necessitando uma alta rentabilidade para cobrir os custos de se investir.

Minha sugestão é que busque corretagens de, no máximo, 1% do seu valor médio de aporte mensal.

Preste bastante atenção também na transparência.

Uma boa corretora deve informar muito bem aos seus clientes quais custos o investidor está incorrendo, sem taxas ocultas. Se está tendo muita dificuldade de rastrear essas informações, acenda o sinal de alerta, combinado?


Em nossa opinião, quais as melhores corretoras para se investir?


Acredito que essa seja a parte mais esperada desse guia. Antes, vamos só reforçar alguns pontos.

Esse guia foi montado, baseado e influenciado pelas experiências que já tivemos ao longo dos anos com as corretoras aqui citadas. Dentre as opções apresentadas, sugiro sempre busque pesquisar por conta própria as que melhor se encaixam ao seu perfil antes de tomar uma decisão.

Para todas elas o processo de abertura de conta é gratuito, portanto, não lhe custará nada conhecer melhor a plataforma, o atendimento e as funcionalidades e tomar decisões mais conclusivas antes de fazer uma transferência.

Caso já possua conta ou mude de ideia quanto a corretora ideal para você, não se preocupe: essa não é uma decisão definitiva.

Existe uma requisição chamada “transferência de custódia” que te permite transferir seus investimentos de uma corretora para outra, quando quiser.

O ponto ruim é que esse processo pode ser burocrático e penoso.

Então vamos lá, essas são as melhores opções que encontramos para investir em:

Em Renda Fixa:

BTG Digital, Easynvest, Genial Investimentos, Mirae Asset e XP Investimentos.

Essas corretoras apresentam, em minha opinião, um portfólio de títulos de renda fixa muito bem diversificados e com boas taxas.

Todas elas também oferecem as mais variadas opções dentro do universo da renda fixa como títulos públicos, debêntures, LCI, LCA e CDB’s.

Colocaria apenas um ponto de atenção nas duas maiores, BTG Pactual e XP.  Em alguns momentos essas instituições oferecem títulos de emissão privada, como debêntures, a taxas de retorno menores do que as demais.

Por outro lado, oferecem a vantagem de se destacarem em outros tipos de investimentos, como verá adiante.

Em Ações:

Rico, Modal Mais e XP Investimentos.

Até pouco tempo atrás dificilmente sugeríamos corretoras como a Rico e a XP Investimentos, especialmente ao pequeno investidor.

Mesmo que tenham boas plataformas e um bom home broker (nesse critério a Rico se destaca), possuíam custos altos que comprometiam a sua rentabilidade.

Esse cenário não existe mais. Hoje a Rico se tornou a melhor alternativa de baixo custo para se investir no mercado de ações.

Apesar da Modal Mais e a XP Investimentos terem custos similares para essa classe, seus modelos de negócio são bem diferentes e atendem dois tipos de públicos diferentes.

A Modal, por exemplo, possui um modelo mais centralizado, no qual todos os serviços, interações e requisições são feitas através de algum dos canais da própria Modal Mais, seja online, na plataforma e chat, ou por telefone.

Já a XP Investimentos pratica o modelo de Agentes Autônomos, que são profissionais liberais vinculados ao escritório principal que possuem autorização e acesso aos clientes e produtos que a corretora disponibiliza.

Nesse modelo, você é atendido sempre por uma mesma pessoa, o seu Agente Autônomo, que ficará responsável em tirar suas dúvidas sobre os produtos oferecidos por ela.

Em Fundos de Investimentos:

BTG Digital, Órama e XP Investimentos.

No quesito disponibilidade e quantidade de fundos de investimentos, a Órama sai na frente: ela consegue ser um grande destaque neste segmento, pois antes de ser corretora, foi por muito tempo uma distribuidora de fundos.

Neste tempo foi capaz de maturar seu portfólio e entrar no mercado de corretoras muito bem preparada, com longo relacionamento junto às gestoras de recursos mais tradicionais do país.

A
lém dela, o BTG Digital e a XP Investimentos também se desenvolveram muito nesta área nos últimos tempos e, além de terem um portfólio abrangente de fundos de terceiros, possuem boas alternativas de fundos exclusivos.

Neste quesito, faço também uma menção honrosa a uma quarta corretora que vem crescendo bastante e se apresentando cada vez mais interessante para um investidor de fundos de investimentos, a Necton.

Em Fundos Imobiliários:

Easynvest, Rico e XP Investimentos.

Quando se trata de investimentos em fundos imobiliários, hoje, quase todas as corretoras praticam a conhecida taxa zero (você só paga os custos operacionais da B3, a Bolsa de Valores). Portanto, para essa classe em específico, o quesito custo teve menor importância.

Os fatores que mais ponderamos foi a usabilidade, ou seja, o quão fácil e prática a plataforma online é, bem como a qualidade do atendimento.

Um grande diferencial da XP em relação a outras corretoras da indústria, e um dos motivos pelo qual a selecionei, é que apesar de seu home broker (ambiente de compra e venda de ações e fundos imobiliários) não ser dos mais fáceis e intuitivos para o leigo, é uma das poucas que disponibilizam ao investidor a opção de investir em fundos imobiliários diretamente através da plataforma, do site da corretora, sem que seja necessário o uso do home broker. O que a Rico também faz, vale destacar.

Q
uanto a Rico, um diferencial muito interessante para o investidor de fundos imobiliários é que através do aplicativo para dispositivos móveis da corretora você recebe notificações no celular sempre que um rendimento é pago e cai na sua conta.

Isso ajuda bastante aqueles que investem na classe pelo fator renda, pois evita de o investidor ter que acessar constantemente a plataforma para conferir se os pagamentos anunciados foram feitos ou não.

Outra opção que selecionei foi a Easynvest que, apesar de historicamente ser uma corretora mais voltada para investimentos em ativos de renda fixa, tem investido cada vez mais no segmento de renda variável.

Assim como as outras, ela conta com a corretagem zero para a negociação de fundos imobiliários e possui uma plataforma muito fácil e intuitiva. Um projeto diferenciado do que vemos na maioria dos homebrokers.

Em Derivativos:

Clear, Modal Mais e Rico.

Destaquei aqui a Rico e a Clear (ambas do grupo XP), por acreditar que os homebrokers são mais adaptados para quem investe no mercado de Opções.

No da Clear, por exemplo, possui um painel interativo com as estratégias mais famosas (trava de alta, borboleta etc.) pré-montadas, facilitando o lado operacional e educacional da coisa.

J
á a Modal Mais, tem um maior destaque para a negociação de contratos e mini contratos futuros. Além de uma estrutura estável, taxa zero e central de atendimento automatizada para zeragem de posições, a corretora disponibiliza aos seus clientes acesso às melhores plataformas terceirizadas de operações do mercado, algumas delas gratuitamente.

Em Previdência Privada:

Órama e XP Investimentos.

Falando de previdência, a XP Investimentos é, com certeza, a que sai na frente.

Além de dar acesso aos fundos mais comuns, que aparecerem em outras plataformas, como os da seguradora Icatu, a XP possui uma estrutura própria capaz de distribuir fundos de previdência que não estão disponíveis em outras plataformas.

Em Criptoativos:

Binance, Foxbit e BitcoinTrade.

Sei que não são todos que terão perfil ou apetite para investir nos criptoativos, porém essa demanda vem crescendo bastante e junto com ela cresceu a necessidade de encontrar bons veículos para a compra e venda desses ativos.

Especialmente quando o assunto é segurança.

Para fazer essa seleção usei todo conhecimento e experiência da Helena Margarido, uma das maiores profissionais do universo das criptos no Brasil e que temos o prazer de compartilhar o espaço aqui na Inversa.

A primeira bolsa (exchange) sugerida, e a única que não é brasileira. Estou falando da Binance.

A Binance é, hoje, uma das maiores exchanges de criptoativos do mundo e a que possui a maior quantidade e variedade de ativos da classe.

D
e uns tempos para cá, junto com o crescimento de sua popularidade, a exchange começou a aceitar investimentos diretos via moeda brasileira, o que facilitou o acesso ao investidor local.

Agora, se prefere realizar suas compras e vendas através de uma empresa brasileira, você pode utilizar Foxbit ou a BitcoinTrade.

Ambas possuem ótimas plataformas e vem se desenvolvendo bastante ao longo dos seus anos de existência.


Já escolhi minha(s) corretora(s), como faço para abrir minha conta?

 

Bom, esse processo varia bastante de uma corretora para a outra e não possui custo algum. O primeiro passo, claro, é acessar o site ou aplicativo da corretora e selecionar a opção de abertura de conta (algumas corretoras não permitem abertura de conta pelo aplicativo).

De
pois disso, você precisará preencher os campos requisitados com seus dados pessoais, informações de identidade e CPF, endereço, conta bancária, renda e patrimônio, assim como documentá-los por foto, em muitos casos.

Concluída essa parte burocrática, você deverá aguardar um prazo de verificação de abertura de conta, que normalmente é de 24 horas.

Por último, no seu primeiro acesso, você terá de fazer um teste de suitability, que determinará o seu perfil de investidor, baseado nos seus objetivos financeiros e na sua aptidão a risco.

Esse teste determinará quais classes de ativos ficarão disponíveis na plataforma para você investir.


Agora que já abri minha conta, como começar a investir?


Para começar a investir, já tendo acesso completo à sua conta na corretora, você precisará transferir os recursos da sua conta bancária cadastrada para a conta da corretora em seu nome.

Os dados de sua conta na corretora serão explicitamente apresentados ao abrir a sua conta, dentro da plataforma ou via e-mail.

Não se esqueça que normalmente só são aceitas transferência vindas de contas no nome do titular da conta da corretora. O mesmo vale para o saque.

Para facilitar o seu aprendizado, gravei uma série de vídeos para ensinar o básico do operacional por trás dos investimentos em cada uma nas principais classes de investimentos, em três exemplos de corretoras.

Além disso, disponibilizarei para você uma outra série de vídeos explicando como realizar os investimentos por meio dessas plataformas.

V
ocê pode assistir essa série de vídeos clicando aqui.

Conclusão

Tudo isso pode ter parecido um quebra-cabeça, mas acredito piamente que se seguir as dicas que listamos aqui você terá uma experiência muito melhor de aprendizado.

L
embre-se que não existe a melhor corretora, o importante é avaliar os critérios que mais se adequam ao seu perfil de investidor. Com esse guia você será capaz de avaliar, sempre que quiser, as melhores opções para os seus mais diferentes objetivos.

Por isso, não deixe de compartilhar este conteúdo com seus conhecidos, que dividem o mesmo interesse pelo mundo dos investimentos.

Passar por esse processo junto com algum amigo ou familiar pode torná-lo ainda mais fácil e prazeroso.

E conte conosco. Estamos aqui para o que precisar!

Um abraço,

Nícolas Merola, CNPI

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia