Do Mercado #10: O papel dos fundos multimercado no câmbio

Rodrigo Natali Publicado em 12/07/2021
5 min
O que os fundos multimercado tem a ver com a alta do dólar? Na edição de hoje da newsletter Do Mercado, explico o papel desses fundos na trajetória da taxa de câmbio durante este ano.

Olá, investidores!

Aqui é Rodrigo Natali em mais uma newsletter Do Mercado.

Nas primeiras newsletters que publiquei, expliquei a você sobre fundos multimercado e câmbio. Hoje, vou falar sobre os dois.

Irei explicar o papel dos fundos multimercado na trajetória da taxa de câmbio durante este ano, papel este que foi bastante importante e significativo, tanto na alta como na queda da moeda norte-americana.

O que pudemos observar nos últimos dois meses foi uma apreciação bem forte do real: a moeda brasileira, que estava sendo cotada na casa dos R$ 5,60 frente ao dólar, chegou a bater R$ 4,93.

Agora, nos últimos dias, vimos uma depreciação muito rápida: o real saiu desses R$ 4,93 e bateu, na quinta-feira passada (8), R$ 5,30. Momento no qual o Banco Central entrou vendendo swap (do inglês “troca”, um tipo de derivativo, ou seja, contrato futuro), algo que para mim foi um pouco surpreendente, dado que o BC havia parado de fazer intervenções desse tipo há um tempo.

Se você parar para pensar, após o dólar cair durante mais de dois meses, bastaram apenas seis pregões para o BC voltar a intervir.

Por que isso? Por que de repente o dólar sobe 6% e o Banco Central volta a vender?

Algo que pode explicar esse movimento é que os fundos multimercado, de maneira geral, mudaram suas posições.

Vou explicar melhor.

Desde que os bancos começaram a mudar as previsões da balança comercial para US$ 75 bilhões no início de abril, o mercado se animou em relação ao câmbio.

Com a Bolsa na máxima histórica, as pessoas pensavam: já está caro. No mercado dos títulos prefixados havia o risco de inflação, possível alta da Selic, etc.

E, na cabeça dos investidores, existia um prêmio no mercado de câmbio que em outros mercados não existia.

Com isso, criou-se um movimento quase consensual de que o câmbio deveria cair para níveis pré-pandemia, considerado o valor justo, na casa dos R$ 4,50. Movimento este que começou a se acentuar conforme o real se apreciava.

Um dos motivos pra isso foi a melhora nas perspectivas da campanha vacinação contra a Covid-19 e dados econômicos mais fortes, como o PIB; e ainda, na época, o exterior apresentava sinais que também contribuíam para esse otimismo, como bolsas americanas batendo recordes consecutivos e o dólar caindo em relação a outras moedas, enquanto aqui o real continuava a se apreciar, em um movimento de inércia que acredito ter vindo, justamente, dos fundos multimercado.

Mas isso começou a mudar há algumas semanas.

Ok, mas ainda não entendi o que os fundos multimercado tem a ver com isso”, talvez você esteja se questionando.

No início do primeiro trimestre deste ano, esses fundos estavam com aplicações em renda fixa e comprados em bolsa e câmbio. Assim, quando houve uma piora econômica ainda nesse primeiro trimestre, não sofreram tanto, afinal, tinham essa proteção, esse hedge.

Uma vez que a bolsa estava já em 130 mil pontos e o único ativo que parecia ter gordura era câmbio, eles venderam suas posições.

O problema disso é que hoje em dia, a maioria deles parece estar comprado no “kit Brasil”, mas sem qualquer proteção.

Isso que mostra porque o mercado deteriorou rapidamente nos últimos dias.  

A posição desses fundos tende seguir a mesma: os riscos estão sempre alocados no mesmo tipo de ativo; quando os fundos são muito grandes e mudam de posição, fazem a cotação da moeda andar por dias, mesmo indo contra uma piora ou melhora de fundamento. 

Então, quando resolvem zerar, não tem saída: o câmbio dispara e o Banco Central tem que entrar.

Se gostou do vídeo e quer saber mais, não deixe de acompanhar as próximas edições da Do Mercado.

Um grande abraço,

Rodrigo Natali

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240

Conteúdo protegido contra cópia