Crypto Weekly #17: Como não cair em pirâmides financeiras

Ray Nasser Publicado em 08/09/2021
6 min
Analise, estude e entenda sobre seus investimentos. Proteja o seu dinheiro! Saiba como não cair em esquemas de pirâmide.

Olá!

Bem-vindo(a) a mais uma edição da Crypto Weekly, meu nome é Ray Nasser!

Na edição de hoje, falarei sobre esquemas de pirâmide, esquemas Ponzi e sobre criminosos que usam do nome “cripto” para se modernizar e enganar as pessoas.

Infelizmente, as pessoas tendem a relacionar o mercado cripto com esquemas desse tipo. A verdade é que essa associação não faz sentido, tampouco com Bitcoin. O fato de empresas mal-intencionadas aceitarem Bitcoin não significa um investimento com Bitcoin, ou que há sequer criação de valor através do Bitcoin.

No Brasil, somos campeões em fraudes e estelionatos, e o Bitcoin abriu portas para malfeitores se modernizarem e venderem algo novo para aqueles que não possuem educação financeira.

A regulamentação para isso, no Brasil, é fraquíssima, e as consequências são mínimas. 

Pessoas que praticam esse tipo de ato, geralmente, não recebem punições, então, resta a nós, nos educarmos e termos consciência no que e onde estamos investindo. 

Vou explicar algumas modalidades, as comuns, que possuem como base o crime de estelionato e falsas concepções.

 

Pirâmide Financeira

 

Pirâmide financeira, a mais popular dentre as modalidades. 

Mas, o que é a pirâmide financeira? 

Também conhecida como marketing multinível, é um esquema onde as pessoas que investem são responsáveis por recrutar outros investidores e, consequentemente, pagam taxas para quem está no topo da pirâmide. 

Esse esquema vai crescendo através das pessoas que estão investindo no negócio e as taxas, claro, vão sempre para cima. 

Quando as pessoas param de recrutar novos entrantes, o dinheiro acaba e todo mundo sai perdendo.

 

Esquema Ponzi

 

O esquema Ponzi é muito conhecido.

Inspirado pelos crimes de fraude realizados pelo italiano Carlo Ponzi, é um esquema muito parecido com o de Bernie Madoff, nos Estados Unidos. 

O investimento de novas pessoas é usado para pagar as pessoas antigas que estão no esquema. 

No momento em que a empresa para de captar e não consegue mais pagar, tudo desmorona, tudo quebra e, obviamente, os donos fogem com a maioria do dinheiro. 

Você já notou como a maioria dos traders e investidores de Bitcoin andam de Ferraris, ostentam demais na internet? Esse é um dos primeiros sinais para você ficar em alerta.

A maioria dos grandes investidores do mercado financeiro e do mundo cripto não ostentam assim, pelo contrário, tomam cuidado com a exposição, pois passaram por muitas experiências. 

O brasileiro gosta de lucro rápido e fácil, mas isso nada tem a ver com Bitcoin ou com qualquer outro ativo, porque não há criação de valor. É usar o dinheiro que entra para pagar o dinheiro que já está lá! É um grande problema!

Você deve conhecer alguns exemplos… Começando pela 18K Ronaldinho; usaram o Ronaldinho Gaúcho para captar dinheiro das pessoas; obviamente isso desmoronou e todo mundo perdeu dinheiro.

Teve o caso do Bitcoin Banco. Falava que era de mercado financeiro, mas ninguém conhecia ele. Tudo uma grande mentira que acarretou um prejuízo de mais de 300 milhões de reais. 

A Mineworld, que afirmava minerar Bitcoins, mas era um grande esquema Ponzi, inclusive com muitas pessoas conhecidas no mercado de criptomoedas. 

E a Atlas Quantum, responsável por um prejuízo de mais de 3 bilhões de reais. Inclusive, alguns artistas famosos fizeram propaganda. 

Isso prova que a mídia fará propaganda de qualquer coisa, basta pagar bem.

Tudo isso é muito complexo, é preciso estudar, questionar. A maioria das pessoas são preguiçosas. Isso, infelizmente, afeta o nosso mercado de criptomoedas, que é sobre liberdade. Nunca dê o seu dinheiro para alguém que você não conhece, guarde os seus Bitcoins, guarde as suas chaves.

 

Essa foi a Crypto Weekly de hoje! Até a próxima!

Um grande abraço,

Ray Nasser

 

 

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240

Conteúdo protegido contra cópia