Crypto Weekly #10: Você sabe o que é Ethereum?

5 min
Muita gente a compara com Bitcoin e outras criptomoedas. Mas, na prática, poucos sabem o que é. Conheça os detalhes da cripto criada em 2014 - e que passará por atualizações em breve - no vídeo de hoje!

Olá!

Bem-vindo(a) a mais uma edição da newsletter Crypto Weekly.

Hoje eu vou falar de Ethereum (ETH).

Muita gente me pergunta sobre o assunto, especialmente quem está entrando agora no mercado cripto. 

Vejo, inclusive, muita gente comparando com Bitcoin e outras criptomoedas. Mas, na prática, poucos sabem o que é.

Mas afinal, o que é Ethereum?

A cripto foi criada em 2014 e seu ICO (Initial Coin Offer, oferta inicial de moeda – algo como o tradicional IPO) foi em 2015.

É basicamente um papel sulfite. Você compra o papel em branco, mas depois que escreve algo, ele tem outro valor (depende do que você escreveu lá, né?).

Bem, o Ethereum é um papel sulfite em branco do mercado cripto. É uma moeda programável; você consegue programá-la para fazer o que quiser, é uma rede descentralizada que permite criar e armazenar contratos inteligentes.

Hoje em dia ele é muito utilizado na tokenização de ativos, ou seja, você lastreia uma moeda (token) a contratos reais.

É também muito utilizado em finanças descentralizadas para emprestar dinheiro, ou tokens, e também pegar dinheiro emprestado com colateral.

Não é exatamente escasso, diferentemente do Bitcoin, pois existem 116 milhões de ETHs emitidos até hoje.

Um grande problema do ETH são as taxas, que às vezes podem ser exorbitantes. Hoje, está em torno de US$ 1,00 ou US$ 2,00. 

Esse pode ser considerado um ponto fraco; por isso, a concorrência para pegar seu lugar é grande.

Agora, o ponto forte é que foi um dos primeiros protocolos, um dos primeiros movimentadores do mercado, e está muito mais avançado que qualquer outro protocolo, principalmente no mercado de DeFi.

Mesmo assim temos outros protocolos conhecidos como Ethereum Killers, "matadores de Ethereum". 

Para que esses “matadores” não tenham sucesso, a rede do Ethereum está fazendo o que chamamos de fork, uma mudança em seu protocolo. Essa mudança deve reduzir as taxas e aumentar o número de transações por segundo.

Hoje essas transações se limitam a 30 por segundo. Para você ter uma ideia, a Visa tem 1.700 transações por segundo.

Algumas moedas concorrentes já alcançam o incrível número de 65 mil transações por segundo.

Exemplos não faltam...

Então, se ETH não fizer melhoras no protocolo, como já vem se propondo a fazer, temos um grande risco de perder muita capitalização de mercado para essas Ethereum Killers.

Em suma, da mesma forma que o Bitcoin é a substituição do dinheiro, da reserva de valor, Ethereum pode ser a moeda que vai acabar com os bancos e habilitar as finanças descentralizadas a emprestar dinheiro de um jeito muito mais inteligente através de contratos programados.

Muitas vezes é fácil confundir todos esses novos protocolos. São muitos nomes, siglas, termos, enfim...

Então, se quiser saber algo, pergunte, fale comigo e comente no vídeo que está em nosso canal no YouTube.

Espero que tenha gostado desta newsletter!

Um abraço,

Ray Nasser.

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240

Conteúdo protegido contra cópia