Inversa na Copa #7 - Caviar ou Chocolate Belga?

Pedro Carvalho há 1 ano
7 min
Uma visita ao mercado em tempos de Copa

Nota do Editor: Olá! O Pedro já está em Kazan, para contar a você todos os detalhes do confronto decisivo da Seleção amanhã, contra a Bélgica. Mas enquanto a hora do jogo não chega, você pode entrar em campo no mercado para a jogada do ano: uma febre de investimentos com potencial 10 vezes maior que as da maconha e do bitcoin acaba de ser identificada pela Inversa. Para saber mais, basta acessar este link. Um abraço, André Zara.


Caro leitor, cara leitora,

Poucas coisas falam tanto dos costumes de um país do que uma simples visita a um supermercado. Ainda mais quando o país em questão vive a febre de um grande evento internacional como a Copa do Mundo e esteve sob orientação comunista por quase um século.

Essa curiosidade é absolutamente natural. Desde que desembarquei na Rússia para a Copa do Mundo, há um mês, recebi uma série de dúvidas de leitores sobre os preços do dia a dia no país. Leitores como o Celso, o Júlio e a Mariana, curiosos por saber qual o poder de compra efetivo do rublo, a moeda local.

Não é uma tarefa das mais fáceis, ainda mais em um país do tamanho da Rússia. Mas me arrisquei a visitar o maior número possível de estabelecimentos nas cidades por onde o Brasil jogou para pode oferecer a você uma ideia do que pode ser encontrado por aqui.

Para começar, o que chama a atenção inicialmente a um brasileiro em visita às gôndolas dos grandes supermercados russos é a variedade de marcas de um mesmo tipo de produto. Manteigas, iogurtes e queijos, por exemplo. E isso apesar do embargo vigente para a maioria das mercadorias europeias.

    Ou seja, essas marcas são quase todas russas, mesmo. Ou são marcas globais produzidas no país, com adaptações nos rótulos e nos formatos originais, como L'Oreal, Gilette etc. Como um turista que vê tantas embalagens coloridas e diferentes, confesso que dá vontade de comprar um pouco de tudo à primeira vista...


Animado com a possibilidade de festejar o hexa no dia 15 de julho? Imagine então o que você poderá comemorar depois de aproveitar todo o potencial da nova febre dos investimentos, depois da maconha e do bitcoin. Mas você precisa estar posicionado agora para aproveitar essa janela histórica. Acesse aqui para lucrar 10x mais com essa oportunidade.


Um bom balizador do custo de vida aceito universalmente é o preço da carne. Em média, ele varia de 259 rublos (19 reais) por um corte suíno de 850g, até 379 rublos (28 reais) pelo quilo da carne bovina. Uma peça de 800g de carne bovina sai pelo equivalente a 21 reais, por exemplo. O fato é que, em geral, a carne na Rússia está mais em conta que no Brasil.

Referência internacional na pesca, os russos adoram o salmão, um peixe bastante popular por aqui, assim como o arenque (aqui chamado de herring). O salmão em postas sai por 930 rublos (quase 70 reais o quilo). Um bonito filé de salmão de 150g como este da foto abaixo, por exemplo, custa 13,50 reais.

      

Outro item fundamental: o pão. Em Moscou, por exemplo, um pacote de pão de forma vai de 29 a 89 rublos (de 2 reais a 6,50). Leve em conta que se trata de uma embalagem mais curta que no Brasil, ou seja, vem menos pão.

Uma coisa bem comum por aqui são também as minipadarias que ficam no meio da calçada ou nas passagens subterrâneas que servem para atravessar a pé grandes cruzamentos ou dar acesso a metrôs.

Outro item que está por todos os lados é o caviar. Estes da imagem abaixo custam a partir de 2.550 rublos – lembrando que 1.000 rublos equivalem a 75 reais. 

      

Uma coisa comum nos supermercados russos é que também sempre existe uma seção de produtos vendidos a granel, onde é possível encontrar de castanhas a arroz e macarrão.

Já o tipo de produtos nas bancadas de frutas e legumes também lembra bastante as coisas que compramos no Brasil. Basicamente tudo que tem por aí, tem por aqui. Em um mercado de bairro escolhido a dedo em Moscou, não muito grande e longe do glamour da Praça Vermelha, os preços pelo quilo dos produtos podem variar de 49,90 rublos a 139,90 rublos.

    Por outro lado, uma universal garrafa de Coca-Cola custa 3,80 reais. Como efeito de comparação, outro sucesso nacional, o sorvete, fica entre 50 e 100 rublos (3,75 e 7,50 reais).

      

Um sorvete, por sinal, será uma boa pedida em Kazan, onde a seleção pega a Bélgica nesta sexta-feira. A cidade fica na região do rio Volga, não muito longe de Samara (está a cerca de 300km, o que não é nada na Rússia). E em Samara já chegamos a pegar 37 graus.

O fato é que, tirando os rótulos em alfabeto cirílico, as gôndolas e prateleiras são familiares... E, em geral, podem fazer você se sentir por segundos em casa, apesar dos mais de 11 mil quilômetros de distância em relação ao Brasil.

Bom, espero ter respondido a contento às dúvidas dos leitores. De todo modo, estaremos sempre atentos às questões que você mandar para o copa@inversapub.com.

Forte abraço e que venha a Bélgica!     

P.S.: Já imaginou descobrir um talento como Neymar ou Philippe Coutinho antes mesmo de eles explodirem no mercado? Na Bolsa, milhares de especialistas se debruçam todos os dias em descobrir a próxima febre dos investimentos. A equipe da Inversa acaba de identificar uma nova onda com potencial 10 vezes maior que as da maconha e do bitcoin. Para poder se antecipar e ganhar de verdade com esse movimento, basta acessar este link.

Conteúdo protegido contra cópia