Cesta & Fundos #33 - Que venha 2020!

Luiz Cesta Publicado em 27/12/2019
3 min
Há um prato cheio para os fundos de gestão ativa se aproveitarem de inconsistências de preço. Opte por eles.

Sunday Notes

 

       

Olá, leitor Cesta & Fundos!

O ano de 2019 deve deixar saudades para os que optaram por correr um pouco mais de risco. Até o momento em que escrevo esta edição, o índice Bovespa acumula alta de 30% no ano, enquanto o título Tesouro IPCA+ 2024 sobe quase 20%.

Para mim, 15% ao ano de ganho com o Ibovespa seria uma média de longo prazo. É certo que essa taxa pode variar dependendo das condições de mercado, risco-país, etc, mas não me parece loucura esperar esse tipo de retorno.

Mas isso se você colocar seu dinheiro em um ETF padrão, como o BOVA11, que cobre uma taxa de administração baixa e que tenha como meta perseguir o índice.

Aliás, a captação dos fundos tradicionais (ativos e passivos) de ações bateu recordes em 2019. Até outubro, esses fundos captaram R$ 57 bilhões! O valor mais alto da série da Anbima que começa em 2002.

E os multimercados, então? Fluxo de entrada de nada menos do que R$ 69 bilhões!

Não é para menos. Afinal de contas, a Selic em patamares historicamente baixos trouxe incertezas para todo poupador.

Acontece que o índice é composto por uma média ponderada de desempenho de várias ações. É aí que entra a beleza dos fundos de investimentos ativos, ou seja, que buscam superar a valorização do índice.

Alguns anos atrás, talvez uns dez anos, havia me convencido que os fundos passivos eram a melhor opção para quem quer surfar a bolsa.

De fato, continuam sendo, mas esse mercado tomou proporções gigantescas, o que me fez repensar essa estratégia.

Só para exemplificar, no fim de agosto deste ano, os ativos geridos por fundos passivos de ações nos Estados Unidos alcançaram um total de US$ 4,27 trilhões e ultrapassaram pela primeira vez o patrimônio dos fundos ativos.

Isso tem uma relevância grande em minha opinião em favor dos fundos ativos daqui pra frente.

Se aconteceu nos EUA, podemos estar somente no início desse fenômeno no Brasil.

Os ETFs captaram até outubro um total de R$ 7,5 bilhões. Em outras palavras, 400% a mais do que o ano inteiro de 2018!

Como os fundos passivos seguem índices que são ponderados por métricas que não envolvem em nada a condição financeira/econômica das empresas, as assimetrias de preço podem se elevar.

E para mim, esse é um prato cheio para os fundos ativos se aproveitarem de inconsistências de preço.

Eu nunca estive tão otimista e com tantos argumentos a favor para sugerir fundos de ações com estratégias ativas.

Último conselho do ano? Opte por fundos de ações com gestões ativas. De preferência, aqueles que sugerimos na minha publicação Fundos Expert. Olhei de perto vários fundos e escolhi poucos mas bons fundos para fazer seu dinheiro trabalhar.

Sem querer me alongar muito mais, pois você deve estar querendo pegar a estrada e viajar, desejo um ano de 2020 de muito sucesso nos investimentos. Conte com a Inversa para o que precisar.

Um forte abraço e até mais!

Luiz Cesta (twitter: @luizcesta)

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia