Cesta & Fundos #18 - Freio de arrumação

Luiz Cesta Publicado em 06/09/2019
4 min
Desempenho da Bolsa em agosto pode ser, tomara, a correção necessária para o mercado voltar a crescer.

Sunday Notes

 

Aviso do editor: Antes da crônica do Cesta que aborda a cautela de investidores estrangeiros, convido você a ouvir o recado que a Olivia Alonso, CEO da Inversa, gravou sobre o ativo que caminha para ser o mais rentável no atual contexto internacional. Descubra aqui qual é o novo ativo invencível do mercado.

 

Caro leitor,

Ainda bem que agosto terminou. Um mês difícil para o mercado, mas fichinha para quem já viu um “Joesley Day” e tantos outros eventos que trouxeram pânico para os comprados em Bolsa e outros ativos de risco.

Como já escrevi em algumas edições passadas, o país está passando por um momento de profundas reformas, o que, para o bem do mercado de capitais, é muito bom que aconteça.

Mas se engana aquele que imagina que o mercado brasileiro se resume a isso e que todos os problemas estarão resolvidos para o país voltar a crescer quando as reformas passarem.

Preciso lembrar que o Brasil é uma das peças de um mundo já muito globalizado e com alto grau de interdependência entre países, principalmente no âmbito comercial. Só para se ter uma ideia do que falo, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro representa 2,6% do mundial.

É verdade que o Brasil ainda é pouco aberto ao comércio exterior, sendo que ainda precisa desburocratizar diversos processos para avançar nessa frente. Mas nada se constrói da noite para o dia. Vamos aguardar. Quem sabe o Brasil vire realmente um grande país no futuro.

Além disso, a desestatização prometida e esperada por muitos pode trazer desbalanceamentos momentâneos de crescimento. Nada mais do que dores necessárias a um país que almeja ser relevante no cenário global.

Tenho conversado com muitos gestores de recursos para a composição da minha carteira de fundos, a Fundos Expert, e noto um raro otimismo de todos.

O que falta, então, para a Bolsa decolar para 120, 130, 140 mil pontos? O gringo. Sim, porque o investidor estrangeiro já sofreu bastante em mercados emergentes e agora ele não quer pagar para ver. Quer ver para pagar. Vai esperar um PIB maior para depois entrar com mais força.

Não importa, eu sou otimista. Se o gringo não quer pagar para ver, vai ter que pagar mais caro depois.

Quem suportar tais solavancos vai se reerguer mais forte. Até lá, que os riscos sejam controlados e, mais do que isso, conhecidos.

Entendo que o financiamento das empresas por meio do mercado de capitais é aquele que mais representa uma economia aberta. Move-se com bases e princípios de livre competição pelo dinheiro do investidor.

Quis fugir um pouco do tema central desta newsletter, que versa geralmente sobre fundos de investimento, porque acho importante fazer um pit stop, o chamado “freio de arrumação” para colocar nossa cabeça em ordem e partir para a próxima.

Espero que agosto tenha sido esse freio de arrumação e que voltemos aos trilhos. O país não vive numa bolha, onde somente o cenário doméstico importa para o mercado de capitais.

Olhar para o que está acontecendo lá fora é tão ou mais importante do que mergulhar cegamente em planilhas que analisam o panorama da economia brasileira.

Afinal de contas, tudo no mundo dos investimentos é relativo, todas as taxas são caras ou baratas se comparadas a outros instrumentos, com outros riscos. Um dividend yield de 10% pode não ser tão bom se houver outro instrumento que pague 15%. A comparação é sempre necessária para a tomada de decisão.

Enfim, uma comparação global, e mais do que isso, uma visão expandida para vários mercados ao mesmo tempo é mandatória para quem quer acertar nos investimentos.

Pés no chão e sensatez nos investimentos.

Tenha um ótimo final de semana, divirta-se com sua família e amigos. Eu te espero na próxima edição.

Até lá!

Luiz Cesta (twitter: @luizcesta)

Acaba de ser lançado o Sem Dúvidas, um programa no canal da Inversa no youtube que vai responder as questões sobre investimentos que você nos manda. Vai lá e dá um play! Acesso por aqui.

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Antonyo Giannini, CNPI EM-2476

Conteúdo protegido contra cópia