Bridge the Cash #7 - Medo e cobiça

Trago para você como montar checklist sobre confiança e investimentos

Conteúdo também disponível em vídeo e áudio. Clique abaixo para acessar a plataforma:

Youtube Spotify Apple Google Deezer

Nota do editor: agora, Leonardo Pontes vai apresentar para você como montar checklist sobre confiança e investimentos.

Olá!

Todo mundo conhece alguém que já levou um golpe. 

Para ficar em um só caso (existem mais, claro), os pais de um amigo receberam uma ligação ao redor das duas da madrugada:

“Sequestramos seu filho e queremos R$ 20 mil na nossa conta”, a voz do outro lado falava.

Enquanto o pai falava ao telefone com os golpistas, ganhando tempo, a mãe tentava ligar para esse amigo através de outro celular. 

Veja: são duas da manhã. Ninguém atende. O medo vence:

“Ok”, o pai concorda finalmente.

O medo é, sem dúvida, um excelente argumento de convencimento. 
 

A cobiça

O outro é a cobiça. “Cobiça é bom”, já disse Gordon Gekko no famoso “Wall Street: Poder e Cobiça”, de Oliver Stone.

Se você acha que 3 milhões de CPFs na bolsa é um número alto, saiba o seguinte: estimativas apontam que 4 milhões de pessoas tenham sido vítimas de um esquema de pirâmide apenas no ano passado. 

Assim, junte um mercado de ações em alta, milhões de pessoas iniciando sua caminhada no mundo dos investimentos e um país famoso por leis pouco severas para esse tipo de crime.

Como resultado, você tem um caldeirão borbulhando. O cheiro que sai dele é menos do que agradável.

Os criminosos se aproveitam da boa vontade das pessoas, cujas aspirações infelizmente por vezes não condizem com a realidade, para oferecer o que elas querem ouvir: “é muito fácil ganhar dinheiro”

A partir daí, são oferecidos todos os tipos de absurdos, como, por exemplo, ganhar 10% ao mês criando avestruz. 
 

Os 5 Cs da confiança 

Não é fácil fugir das armadilhas que são colocadas para todos nós. 

Mas lembro que algumas “regrinhas de bolso” podem ser muito úteis para tentar escapar de algumas delas. 

Logo que comecei a trabalhar em banco, ensinaram para nós “Os 5 Cs do Crédito”: capacidade, colateral, caráter, condições e capital. 

A ideia era que, ao se analisar essas cinco dimensões (todas começando com a letra “c”), o risco de perdas com empréstimos seria minimizado.

A série Bitcoin, o Investimento da Década já está no ar.
Um ativo, 9.150.088% de valorização, 18 mil milionários feitos só com esta moeda digital... Veja agora mesmo.

 

Fiz uma adaptação para você que me ajuda a avaliar essas oportunidades de investimento imperdíveis oferecidas por aí. Chamo de “Os 5 Cs da Confiança”:

1. Capacitação: quem me oferece a oportunidade tem condições para isso? Procuro ver o histórico, o perfil de quem oferece, a experiência de quem já utilizou os serviços. Por exemplo, se é uma empresa com anos no mercado, agindo de forma idônea, com profissionais experientes, fico bem mais seguro.

2. Caixa: preciso colocar quanto de dinheiro já anteriormente? Que “garantias” já estou oferecendo na largada e como o meu dinheiro será utilizado? Como os retornos prometidos serão alcançados? Você sabe que existem cartomantes que pedem para você deixar um cheque em uma jarra com ela, como prova de confiança. O resultado você pode imaginar.

3. Caráter: esse é o mais importante de todos, mas claro que, a depender da índole e das intenções de quem oferece, é muito difícil de se identificar a priori. Uma pesquisa no Google deveria mostrar muito do que você precisa saber, entretanto.

4. Condições: em um mundo com o CDI abaixo de 2% ao ano, como alguém pode oferecer, digamos, 10% ao mês, “garantidos”? Sem dúvida, existem retornos muito bons no mercado financeiro, em diferentes instrumentos, mas não podem ser garantidos, e envolvem algum nível de risco.

5. Crime: todo negócio depende, claro, dos seus clientes. Entretanto, um investimento que necessite novos clientes entrando para pagar os clientes existentes não tem como dar certo e é, invariavelmente, um esquema de pirâmide. Fuja disso como o diabo foge da cruz.

Infelizmente, mesmo após estas e outras verificações possíveis, não garanto que você ficará imune aos criminosos que existem por aí. 

Bernie Madoff, por exemplo, preenchia todos os requisitos de um homem idôneo, com um negócio legítimo, e foi condenado acusado de fraudes totalizando US$ 65 bilhões, acumuladas por um período de mais de 30 anos. 

O ótimo filme “O Mago das Mentiras” conta bem essa história, com o bônus de Madoff sendo interpretado por Robert De Niro.

A educação financeira é arma fundamental no combate aos fraudadores, porque isso permite que as pessoas entendam cada vez mais sobre risco, retorno e geração de caixa. Cerque-se de bons conselheiros, livros, análises. 

Assine séries de investimentos que desafiem suas crenças e permitam que você continue aprendendo sobre finanças. Consulte especialistas ou pessoas em quem você confie. 

O processo de construção de capital é, em geral, longo: 94% dos US$ 81 bilhões de Warren Buffett, que fez 90 anos esta semana, foram conquistados após ele completar 60 anos. 

Para perder dinheiro, entretanto, basta uma ligação na madrugada.

Um abraço,

Leonardo Pontes

Lucros, consistência e tranquilidade na Bolsa. Palestra na UNICAMP Exclusiva (Veja agora!)

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC. Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa. A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC. Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários. O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações. Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.

Conteúdo protegido contra cópia