Bridge the Cash #18 - Se for para roubar algo, roube bons hábitos

Leonardo Pontes Publicado em 05/02/2021
5 min
Se Buffet, Soros, Icahn ou qualquer outro grande nome não manipula o mercado, talvez você devesse reconsiderar sua necessidade de entrar em esquemas de caráter duvidoso.

Conteúdo também disponível em vídeo e áudio. Clique abaixo para acessar a plataforma:

Youtube Spotify Apple Google Deezer

O PULSO AINDA PULSA

Dizem que o dia mais triste do ano é a terceira ou quarta segunda-feira de janeiro, conhecida como “Blue Monday”. Talvez este seja um argumento da pseudociência para explicar o desânimo que se abateu ao longo dos últimos dias no país: centrão oficializado no poder, dissolução do grupo que atuava na Lava Jato no Paraná, inflação em alta e ainda começou o BBB 21...

Mas o Ibovespa está de novo rondando os 120 mil pontos. O pulso ainda pulsa.

O centrão de volta ao poder indica que as reformas tão caras ao país finalmente têm a chance de avançar; as forças-tarefas continuam com outro nome (a ver); e o Bacen mostrou que está disposto a subir os juros para conter a inflação, se necessário.

Quanto ao BBB 21, o maior ladrão de tempo do país, já que o programa este ano aparentemente terá 100 dias, faça um enorme favor a você e desligue a televisão para ler um livro durante sua exibição.

Prometo que ao final dos 100 dias você estará à frente de mais de 90% da população brasileira.

 

O CORPO AINDA É POUCO

Se você acompanhou o noticiário financeiro da última semana, também viu o short squeeze em GameStop nos Estados Unidos, devidamente copiado para as bandas de cá em IRB Brasil.

Apenas para colocar todos na mesma página: uma operação short (venda a descoberto) consiste na venda de ações que você não tem. Para isso, você toma emprestado as ações de alguém que as tenha, vende no mercado, e torce, lógico, pela queda no preço de tais ações. 

Sendo bem sucedido, você recompra as ações a um preço menor e as devolve ao dono original. Do contrário, recompra a um preço mais caro e perde dinheiro na operação.

Um short squeeze é fazer com que os vendedores a descoberto sejam “espremidos”, isto é, o preço das ações sobe tanto que eles são forçados a recomprá-las para estancar a sangria.

Embora as histórias da GameStop e da IRB sejam divertidas, vale as seguintes ressalvas: combinar movimentos de compra é manipulação de mercado, prática proibida em todas as bolsas do mundo. Imagine se fosse o contrário, isto é, se fossem fundos combinando para forçar o preço para baixo de forma a obrigar os investidores pessoa física a zerarem suas posições? 

A segunda ressalva é que se você for cometer um crime, não seja estúpido a ponto de ter seu próprio número de telefone em um grupo de WhatsApp ou Telegram combinando sua execução. Espero mais de você.

A terceira ressalva é que, por ser claramente um movimento técnico, o preço das ações manipuladas retorna rapidamente aos valores anteriores. E quem você acha que estava erroneamente orientado a manter suas posições de compra enquanto as ações da GameStop voltavam ao preço inicial? 

O cemitério dos perdedores é silencioso, mas está cheio de corpos.

 

CLEPTOMANIA

Você lembra daquela vez em que o Warren Buffet telefonou para um amigo combinando a compra de ações da Coca-Cola? Ou quando George Soros trocou cartas com um conhecido para quebrar o Banco da Inglaterra? E daquela outra vez em que Carl Icahn combinou em um grupo de MSN para fazer uma aquisição hostil da TWA?

Certamente você nunca se lembrará porque essas histórias jamais ocorreram. 

Uma das melhores formas de se acelerar seu aprendizado é seguindo o caminho traçado pelas lendas que vieram antes de nós. Se Buffet, Soros, Icahn ou qualquer outro grande nome não manipula o mercado, talvez você devesse reconsiderar sua necessidade de entrar em esquemas de caráter duvidoso.

No livro altamente recomendado “How Will You Measure Your Life?”, Clayton M. Christensen tenta responder a três perguntas: 

  • Como posso ter certeza de que serei bem sucedido e feliz na minha carreira?
  • Como posso ter certeza de que meus relacionamentos com meu cônjuge, filhos e meus parentes e amigos próximos podem se tornar uma constante fonte de felicidade?
  • Como eu posso viver uma vida íntegra – e ficar fora da prisão?


A última pergunta ele se coloca ao ver que alguns amigos que se formaram com ele em Harvard terminaram na cadeia. Isto é, pessoas inteligentes, educadas, que entraram em zonas cinzentas e sofreram as consequências de seus atos.

Se for para roubar algo, roube bons hábitos.
 

TITÃS

Outra lição que podemos aprender com estes titãs das finanças é que eles não se deixam contaminar por notícias de jornal.

Veja, é evidente que se manter informado é importante. Mas você deve buscar separar o que impacta seus investimentos e o que é ruído de curto prazo.

Lembre-se de que o Brasil também produziu milionários que construíram suas fortunas de forma honesta. A Magazine Luiza, por exemplo, começou em Franca em 1957 com uma loja. A Arezzo começou vendendo sapatos masculinos em 1972, em Belo Horizonte. 

O Ibovespa a 120 mil pontos, apesar de uma semana de noticiário pesado, é o resultado de alguns bons investidores comprando boas empresas, na expectativa de que essas companhias gerem mais caixa no futuro.

Boas empresas são formadas por boas pessoas, e essas pessoas sabem que, com a honrosa exceção dos jornalistas, notícia de jornal não põe comida no prato.

Faça como elas: leia seu jornal e vá trabalhar. E, por favor, nada de Big Brother.

Um abraço,

Leonardo Pontes 

A Inversa é uma Casa de Análise regularmente constituída e credenciada perante CVM e APIMEC.

Todos os nossos profissionais cumprem as regras, diretrizes e procedimentos internos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Instrução 598, e pelas Políticas Internas estabelecidas pelos Departamentos Jurídico e de Compliance da Inversa.

A responsabilidade pelas publicações que contenham análises de valores mobiliários é atribuída a Felipe Paletta, profissional certificado e credenciado perante a APIMEC.

Nossas funções são desempenhadas com absoluta independência, não sendo dotadas de quaisquer conflitos de interesse, e sempre comprometidas na busca por informações idôneas e fidedignas visando fomentar o debate e a educação financeira de nossos destinatários.

O conteúdo da Inversa não representa quaisquer ofertas de negociação de valores mobiliários e/ou outros instrumentos financeiros. Os destinatários devem, portanto, desenvolver as suas próprias avaliações.

Todo o material está protegido pela Lei de Direitos Autorais e é de uso exclusivo de seu destinatário, sendo vedada a sua reprodução ou distribuição, seja no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa, sob pena de sanções nas esferas cível e criminal.  

Conteúdo protegido contra cópia