Suzano: 1 bilhão em dividendos.

10 de janeiro de 2022
Suzano pagará R$ 1 bilhão em proventos aos seus acionistas, o que não chega a ser uma surpresa, mas reforça o otimismo com a tese de investimentos.

Suzano: 1 bilhão em dividendos

Por João Abdouni, CNPI

No último 7 de janeiro a Suzano divulgou fato relevante que pagará 1 bilhão de reais em dividendos.

Esse montante está em linha com a política de dividendos da empresa, que deve pagar 25% do lucro acumulado entre os anos de 2020 e 2021, no qual o lucro líquido divulgado é de R$ 3,2 bilhões. Já para o segundo semestre de 2021, a empresa deve apresentar resultado de, ao menos, outros R$ 800 milhões de lucro. 

O pagamento, portanto, será de R$ 0,74 centavos por ação ou 1,2% de renda em dividendos.

O fato não chega a ser surpreendente, mas reforça nosso otimismo como a tese de investimentos em Suzano, uma vez que a empresa além de conseguir divulgar um novo projeto chamado Cerrado, que fará  a empresa crescer em 25% a sua capacidade de produção quando o projeto for concluído em 2024. E o melhor: sem precisar solicitar novos empréstimos. 

O fato certamente surpreendeu a parcela do mercado que no início da crise da Covid-19 em 2020 acreditou que a Suzano, por conta da alta do USD, precisaria fazer um aumento de capital. Isso só não aconteceu como, na verdade, temos um movimento contrário, no qual a empresa está pagando 1 bilhão de reais para seus acionistas.

Existem duas coisas que são difíceis de esconder durante muito tempo: tosse e posição de caixa. 

Assim seguimos animados com a tese de investimentos em Suzano por uma série de razões que apresentamos neste texto

Essa distribuição de proventos não altera nossa avaliação da empresa, mas serve como um reforço em nossa tese de investimentos.

Você sabia que temos posições em Suzano? Para saber em quais carteiras, proporção e fundamentos, não deixe de conhecer nossa série Ações Alpha.

Um abraço,

João Abdouni, CNPI

Conheça o responsável por esta edição:

João Abdouni

Analista CNPI

Graduado em Contabilidade e administração pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, João possui grande experiência em auditoria contábil, trabalhando por anos na Ernst & Young, famosa empresa inglesa de consultoria. Apaixonado pelo mercado financeiro, integra o time de especialistas em investimentos da Inversa e está à frente das séries Premium Caps, Ações Alpha dentre outras.

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240