Seja bem-vindo!

Faça o login com sua conta e aproveite seus conteúdos exclusivos.

Entrar agora

Ainda não é cadastrado?

Crie sua conta

O Brasil está pegando fogo, mantenha a calma em seus investimentos

O medo não é um bom conselheiro. Tomamos algumas atitudes precipitadas que podem não ser boas para nossos investimentos. Entenda as estratégias de alocação para o seu patrimônio e não deixe o medo e a incerteza te dominarem.

Retire aqui R$ 1.092,16 de desconto

A carteira de recomendação de criptomoedas capitaneada por Ray Nasser, especialista internacional e minerador, tem dado muito lucro aos nossos assinantes. Acabamos de liberar um desconto de R$ 1.092,16 para você ter acesso à Crypto Evolution, série em que a carteira está disponível + 7 dias de garantia para assinar e experimentar tudo sem compromisso. Libere seu acesso.

 

 

O Brasil está pegando fogo, mantenha a calma em seus investimentos.

Por João Abdouni e Nícolas Merola, CNPI.

 

O medo não é um bom conselheiro. Tomamos algumas atitudes precipitadas que podem não ser boas para nossos investimentos.

Nas palavras de Mestre Yoda, “o medo leva à raiva, a raiva leva ao ódio e o ódio leva ao sofrimento.”

Entenda as estratégias de alocação para o seu patrimônio e não deixe o medo e a incerteza te dominarem.

O clima político do feriado de 7 de setembro elevou ainda mais a pressão sobre o Brasil.

No mercado financeiro isso não foi diferente. Os juros pré-fixados para 2023 atingiram 11% a.a. e temos precificadas três altas na taxa Selic, as três de 1,25 pontos percentuais, para as próximas reuniões.

Já o dólar vem se valorizando frente ao real no momento em que escrevo este artigo. A moeda norte-americana é negociada a 5,30 reais, uma alta de 2,7% desde a volta do feriado há dois dias.

O principal índice da bolsa brasileira, o Ibovespa, caiu 3,35% nesse período. Já no ano, acumula uma queda de 4,27%. Enquanto isso, no mesmo período, o principal índice da bolsa norte-americana, o S&P500, valorizou 22%.

É contraintuitivo, mas em meio à tantas noticiais ruins, acreditamos estarmos entrando em uma região de buy opportunity(oportunidade de compra); contanto que o investidor seja diligente na escolha dos ativos. Nem todas as empresas irão conseguir realizar essa travessia até a região de retomada de alta dos mercados brasileiros.

Empresas com situação de alto endividamento, geração de caixa negativa e em situação de turnaround (recuperação) devem ser evitadas neste momento, pois pode ser que não consigam se recuperar neste terreno inóspito para negócios chamado Brasil.

Na outra ponta, temos empresas robustas acostumadas com os desafios do país. Empresas ligadas ao setor de exportações são boas opções em cenários como o que estamos enfrentando, uma vez que suas receitas são atreladas ao dólar. Alguns exemplos são Suzano e Vale, que vivem um bom momento operacional.

O que podemos notar nos últimos meses é que as ações protegeram melhor contra inflação do que os títulos públicos. E, como falamos, as ações de exportadores protegeram melhor ainda.

Para os investidores que preferem a alocação em renda fixa, os títulos atrelados ao índice de inflação são os mais atrativos; um exemplo é o tesouro IPCA 2026, que protege o poder de compra do seu principal investidor , além de um prêmio de mais de 4% a.a.

Será necessário resiliência 

Como comentamos anteriormente, estamos começando a entrar em uma região de compra. No entanto, pode demorar para que o cenário melhore e os bons retornos apareçam. 

Por isso, o investidor precisa estar preparado para quedas de até mesmo 30% em seus ativos e, mesmo assim, entender que está fazendo boas compras até que o mercado retome o movimento de alta.

Segure o medo. 

A elevação da taxa de juros, possibilidade de racionamento de energia e cenário global menos benigno geram pressões de curto prazo e justificam preços mais baixos nas ações, dólar mais alto e a volatilidade elevada.

A forma correta de se posicionar em meio a esse cenário é fracionar o seu caixa e fazer aportes paulatinamente nos momentos de maior indecisão e estresse.

O histórico do Ibovespa


No quadro abaixo, temos o histórico do Ibovespa, em dólar, desde 1963. 

Fonte: Enfoque

 

Nossos estudos não são pautados em análise técnica, mas o gráfico acima nos ajuda a perceber que o índice brasileiro de ações, principalmente se analisado em dólar, está em patamares historicamente baixos.

Nas carteiras mais ativas da Inversa, mantemos nossa alocação sem alterações. Convido o leitor a conhecer tanto a carteira Você Gestor quanto a Top Trades, que estão apresentando ótimos resultados em 2021, respectivamente, enquanto o índice Bovespa acumula perda de 4,27%.

 

A Inversa é uma Casa de Análise regulada pela CVM e credenciada pela APIMEC. Produzimos e publicamos conteúdo direcionado à análise de valores mobiliários, finanças e economia.
 
Adotamos regras, diretrizes e procedimentos estabelecidos pela Comissão de Valores Mobiliários em sua Resolução nº 20/2021 e Políticas Internas implantadas para assegurar a qualidade do que entregamos.
 
Nossos analistas realizam suas atividades com independência, comprometidos com a busca por informações idôneas e fidedignas, e cada relatório reflete exclusivamente a opinião pessoal do signatário.
 
O conteúdo produzido pela Inversa não oferece garantia de resultado futuro ou isenção de risco.
 
O material que produzimos é protegido pela Lei de Direitos Autorais para uso exclusivo de seu destinatário. Vedada sua reprodução ou distribuição, no todo ou em parte, sem prévia e expressa autorização da Inversa.
 
Analista de Valores Mobiliários responsável (Resolução CVM n.º 20/2021): Nícolas Merola - CNPI Nº: EM-2240

Conteúdo protegido contra cópia